terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Como nós

O infortúnio
bate à porta
entrando impune
nas moradas poéticas...


Ana Negrão Ferreira.

Sem comentários:

Enviar um comentário