quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Instantes de Rua I


Mostra Colectiva de Artes Plásticas

MOSTRA COLECTIVA DE ARTES PLÁSTICAS - ASMAV - (PROJECTO RIZOMA) - ADIAS MACHADO - ALEXANDRE REIS - ANA LAGIDZE - ANA NEGRÃO - ANTÓNIO PORTO - ARNALDO MACEDO - CARLOS GODINHO - CARLOS SARAMAGO - FERNADA DAS NEVES - GONZALO QUICLER - COLIN BA...LDWIN - GRAÇA DAMAS - ISAURA XAVIER - JOÃO MARROCOS - JOSETE FERNANDES - LUÍS LIBERATO - MADALENA MACEDO - MARCO SANTOS - MARIA JOSÉ SILVA - MÁRIO REBELO SOUSA - MUTES - OCTÁVIO SOUSA E SILVA - PIEDADE PINA - ROSA ADRIACO - ROSA GARCIA - ROSA VAZ - SILVANA VIOLANTE - SILVIA MARIETA - SARA PEREZ BELLO - JOSÉ MANUEL UCHA GROBA - NY MACHADO - C. NÚNCIO - MARGARIDA LIMA - ANGELA SILVA, JOANA D'ASSUMPÇÃO E DAVID FERREIRA apresentam as obras em espaço próprio: fotografia e instalação. Horário: Quarta a Domingo, das 16:00-19:30 Sexta e Sábado, das 16:00-19:30 e das 21:30-23:00
 

 
 
 

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

"Blowing in the wind" 40X50

"A música pode ser o exemplo único do que poderia ter sido - se não tivesse havido a invenção da linguagem, a formação das palavras, a análise das ideias - a comunicação das almas."
Marcel Proust





quinta-feira, 24 de outubro de 2013

"Não, Tempo,...."

"Não, Tempo, não zombarás de minhas mudanças!
As pirâmides que novamente construíste
Não me parecem novas, nem estranhas;
Apenas as mesmas com novas vestimentas."
William Shakespeare


domingo, 20 de outubro de 2013

Estilhaços 25X17

Não sei onde estás dita vida
mas sei que te tenho presa em mim
porque tenho passado o tempo

a sonhar-te
a reinventar-te,
estás algures acorrentada
a corrente que nos prende
não tem princípio nem fim
e vacilante recomeço
na madrugada de quem trabalha para este mundo
arriscando-me a morrer de fome
por não existirem dicionários
nas vagas luas que navego
como um velho lobo do mar
que desce sempre á melancolia quotidiana




Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas


 

sábado, 19 de outubro de 2013

Dali (formato A4)


"É preciso provocar sistematicamente confusão. Isso promove a criatividade. Tudo aquilo que é contraditório gera vida."
Salvador Dali







 


Chaplin 22X30

“Lute com determinação, abrace a vida com paixão, perca com classe e vença com ousadia, porque o mundo pertence a quem se atreve e a vida é muito bela para ser insignificante.”
―Charles Chaplin



sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Quadrifonia 80X100

Caminho meia tonta
e o deserto já parece portas de infinito
o calor que me rói e a sede que me mina

já parecem portas de uma alucinação
são portas adentro portas
como tempo adentro tempo
contratempo adentro do medo
e corridas quedas
a confundir-me com esta areia quente
que parecem janelas de mar em agosto
mais à frente
autocarros ao engano pessoas e cafés
a miragem do dinheiro
mas logo areia outra vez
mais seca e movediça
quem dera que eu fosse apenas mais um réptil
que vive a sangue frio
o calor da areia deserta...

Ana Negrão Ferreira.

Divagações Nocturnas



terça-feira, 1 de outubro de 2013

Triunfo 48X50

TRIUNFO
Técnica mista sobre papel 400g 48X50
Em exposição desde 28 de Setembro até 26 de Outubro

a decorrer em Guimarães,
parceria Galeria Vieira Portuense.









quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Escrita (im)perfeita

Assombro
palmilho léguas
o inferno derradeiro

invado as sensações
consumidas neste outono de prazer
o túnel interdito
abandonado à fúria possuída
desde a véspera do cio
que se prepara para romper
na madrugada fúnebre
onde os fantasmas despertam
num doce pecado
e a ti
te mascaram o desejo...

Ana Negrão Ferreira.

Divagações Nocturnas



domingo, 22 de setembro de 2013

Sol posto

Vejo a criança velha a olhar-se ao espelho
recorda a lua guardada nos caminhos
quase todos surreais

quase todos inesperados
vejo barrigas cheias de fome
à espera das mães desesperadas
que vivem a sangue frio
o calor dos répteis
cactos
miragens por trás do sol posto
e os gritos asfixiados
sempre preparados
para morrerem

amanhã...


Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas


 

"....sem um certo sonho ou projecto de mundo..."

"Se, na verdade, não estou no mundo para simplesmente a ele me adaptar, mas para transformá-lo; se não é possível mudá-lo sem um certo sonho ou projeto de mundo, devo usar toda possibilidade que tenha para não apenas falar de minha utopia, mas participar de práticas com ela coerentes."
Paulo Freire

Com Salomé Negrão (5 anos) *
 

domingo, 25 de agosto de 2013

"...o sonho pelo qual se pôs a caminhar."

"Ninguém caminha sem aprender a caminhar, sem aprender a fazer o caminho caminhando, refazendo e retocando o sonho pelo qual se pôs a caminhar.”
Paulo Freire

Da artista de palmo e meio : Salomé Negrão - 5 anos *
Pintura sobre madeira 17X25


quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Divagações Nocturnas

Um dia destes
enfeitámo-nos em orquídeas
declarámo-nos românticos

afastámos o preconceito após as flores
e fizémos amor à sombra do desejo
nessa manhã de primavera fomos felizes,
uma dúvida só
o de não o quê de me quereres tão bem
não sei o teu nome
não conheço a tua história
nem tu a sabes de cor talvez
deixa
voltemos de novo à primavera
esqueçamos um pouco mais a confusa solidão
que reinará depois de nós...


Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas



quarta-feira, 7 de agosto de 2013

..."o que seremos."

* Com Salomé Negrão *

"Não há transição que não implique um ponto de partida, um processo e um ponto de chegada. Todo amanhã se cria num ontem, através de um hoje. De modo que o nosso futuro baseia-se no passado e se corporifica no presente. Temos de saber o que fomos e o que somos, para sabermos o que seremos."
Paulo Freire


domingo, 4 de agosto de 2013

Vertente

Enumero vontades estranhas
como o amor ou pedir o amor
com a mesma inocência

com que pedimos a paz
aos homens de boa gente
só porque a desejamos
obcecadamente nua aqui...


Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas



sábado, 3 de agosto de 2013

Eu só queria...

Eu só queria saber tudo
mesmo que fosse muda
pois isso seria um escudo

contra aquleles que me querem surda
Eu só queria não saber nada
de tudo o que os outros querem que eu saiba
eu só queria saber tudo acerca do nada
pois assim talvez soubesse
que é mais fácil não saber nada
do que saber tudo
e saber que tudo o que se sabe
acaba por não ser nada...


Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas

Momento das Rosas


sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Raras as Pontes

O céu é o azul da primavera
os campos em baixo são as flores
há rosas
e o canto do quadro é um rio de romances
que se vai esgotando por esses mares supostos
cujos sais ele tanto inveja
nas lacunas do papel há crianças
o calor do verão são desejos
um quadro é um esquema leviano e,
as mais variadas espécies de cores e alegrias
também aqui não faltam
porque este quadro é o manifesto da inconsciência...


Ana Negrão Fereira
Divagações Nocturnas








domingo, 21 de julho de 2013

Juntos numa causa...


"Enquanto se ensaiam as guerras e o fim deste projecto de paraíso, havemos NÓS por força SER...gotas de água cultivando as palavras da nossa VOZ numa causa comum. Ana Negrão"

Ana Negrão nasceu em Lisboa a 27 de Fevereiro de 1980. Dedica-se 
a duas grandes paixões, pintura e escrita onde transmite uma linguagem metafórica e de intervenção, sendo a arte o único caminho...tudo o resto vem da percepção e urgência que tem em construir algo que marque a sua individualidade.


Honrou-nos apoiando publicamente o Movimento Pela Água.
Mais que isso, e demonstrando uma generosidade tão grande como o seu talento, Ana Negrão brindou-nos com uma tela pintada propositadamente para apoiar o Movimento Pela Água.
Numa atitude de altruísmo Ana Negrão oferece-nos esta tela, enriquecendo a nossa causa.
Pelo seu apoio e gesto nobre, um Muito Obrigado, Ana Negrão. 

Nós já assinámos.

E tu? Já assinaste a Petição Privatização da Água a Referendo?
http://www.peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx?pi=P2011N11644



Terra Habitada

Das tempestades inesperadas
cultivo os sonhos
protegendo-os deste mundo efémero
e pensar que era urgente fechar os olhos
quando de olhos abertos alcanço o céu
essa terra habitada,

será isto prenúncio da morte
ou da salvação adormecida
nas baladas acordadas em mim....


Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas


sexta-feira, 19 de julho de 2013

Areia deserta...

...se em vez de não ser tudo como é
fosse só eu e tu
os loucos teimosos que a sangue frio
celebram as madrugadas
lúcidas e fúnebres
numa areia deserta
quente
movediça
e
nos distrai o amor
fabuloso
inesperado...


Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas


segunda-feira, 15 de julho de 2013

Apago as vogais infectas...

As noites são quentes prolongadas
o verão insulta-me com palavras ardentes
apago as vogais infectas 
que me confundem
com os desejos do corpo
que não é mais que uma pérola mortal
submetida aos caprichos mundanos do tempo
tão violento e nobre
como as paredes de mar...


Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas



quarta-feira, 10 de julho de 2013

Demasiado irreal...


Despertam acordados
raios de sol ridículos
lutam contra a madrugada
demasiado irreal
a madrugada em breve será mãe
o sol em breve pai
e tudo em breve será esquecimento,
mas a madrugada morre
morre de parto
nascem-lhe filhos
e não se fez amor
jogaram-se jogos de luz e trevas
jogaram-se sonhos e pesadelos
chegam outras madrugadas...



Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas


terça-feira, 2 de julho de 2013

Que me trazem perplexa

Pressinto o fim deste projecto de paraíso
habitado por disparos longínquos
onde as guerras do poder
políticas nucleares consagradas
eleitas pela cegueira
vão ensaiando hipóteses de futuro
e nos revestem numa comum humanidade
pois eu prefiro os raios
que me trazem perplexa
numa realidade mais viva quente
imaginada em mim desde a véspera do amanhã
que amanhã é inverno outra vez....

Ana Negrão Ferreira.

Divagações Nocturnas



domingo, 30 de junho de 2013

Já só tenho tudo por fazer

Entrego-me ao vento
sem querer saber do tempo

nos contratempos do mundo
vejo
a névoa adiada contorcendo-se

agora
já só tenho tudo por fazer
numa esfera gigante
que me corrompe
e me impede de gritar as palavras...

Ana Negrão Ferreira.

Divagações Nocturnas

sábado, 29 de junho de 2013

Desdobro os pensamentos

Da minha vontade indomável
desdobro os pensamentos
de mãos abertas para o mundo
anseio os sorrisos roubados da inocência
desespero o cheiro da primavera
ancorado nas aves raras
que gritam por uma liberdade incompreendida

numa fatalidade desconcertante

abro asas...


Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas


domingo, 16 de junho de 2013

Só me lembra palavras...

São raros os momentos que matam a sede
e sabem evitar ainda diálogos irados de vento
e assim uma ponte apenas ponte
só me lembra despedida e fico sempre comovida
por ficar deste lado indiferente ao tempo
e assim uma fonte apenas fonte
só me lembra palavras
e vêm os acessos de saudade
indiferente fabulosa
e às vezes confundo tudo e choro
como se os olhos fossem duas granadas
que não se cansam de explodir sem direcção

mas com uma certeza
beijar o chão depois de o despir

Ana Negrão Ferreira

Divagações Nocturnas


quarta-feira, 12 de junho de 2013

Tão devagar que os homens são...

Corto relações com tudo o que conheço
tudo o que é perfeitamente familiar
a raça identidade cultura

desterro-me livre
nua desamparada
como uma criança selvagem
pronta para renascer,
criar algo que tenha a minha marca
em vez de ser obrigada
a chupar os refrescos
que passam a vida
a tentar vender-me
qual a hora exacta da criação?
em que mês se celebra a cretinice?
qual o dia mundial da religião?
breve vago incerto
tudo marcha à velocidade da luz
no entanto tão devagar
que os homens são...
 

Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas

 

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Ergo as taças desalinhadas

Esboço 
as lágrimas 
de sangue 
em traços rudimentares
percorro as linhas imaginárias
desconstruindo-as
em pedaços bastante largos
de rosa me mascaro
nos arremessos da alma
evocando a primavera
em cada laço
em cada sombra...
...ergo as taças desalinhadas
onde brindo
a desconexos sabores...


Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas


sábado, 25 de maio de 2013

Celebram as madrugadas

Se eu não trouxesse nas mãos
este frio de inverno cicatrizado
em promessas de beijos

Se não fosse já tão tarde em mim
para amanhecer ou ir ao purgatório
Se eu não amasse tanto a primavera
e
se em vez de não ser tudo como é
fosse só eu e tu
os loucos teimosos que a sangue frio
celebram as madrugadas
lúcidas e fúnebres
numa areia deserta
quente
movediça
que nos distrai o amor
fabuloso
inesperado...


Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas

 

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Suspiro as rosas

Abandono-me à minha fúria
aos gemidos ardentes da voz
driblo a dor
suspiro as rosas
beijo o sonho
numa cupidez estranha

onde faço tudo
tudo o que me apetecer
de todos os amantes
no fim
basta só que me ames
com palavras de amar
e nada mais...

Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Caminhos...

"Guie uma criança pelo caminho que ela deve seguir e guie-se por ela de vez em quando."
(Josh Billings) - Com Salomé Negrão

Fogo das florestas

Incendeio no fogo das florestas velhas
essas bocas apodrecidas

paridas pela morte
onde os desafectos incorporados
renascem súbito
e lhes cerram os olhos
nas lâminas queimadas das palavras...


Ana Negrão Ferreira
Divagações Nocturnas

 

segunda-feira, 20 de maio de 2013